"Deus tem agora um sério concorrente" (Epitáfio para um sociólogo, José Paulo Paes)

PÁGINAS

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

A VIDA COTIDIANA DA BARBÁRIE

http://www.malvados.com.br/
Parece que a vida cotidiana, rotineira, das tarefas diárias, do compromisso, da ordem, do controle do tempo, é um convite à barbárie.

Não há poesia ou filosofia. Não há tempo para contemplação da beleza. Muito menos espaço para o diálogo. Só um tédio individualizante, onde as pessoas se agarram a uma vida de segurança, do previsto, do rotineiramente correto. 

A velhinha do supermercado, buscando por ofertas; a mãe com o filho pequeno no colo, no ponto de ônibus; o caixa do banco, esperando por uma promoção no emprego; os filhos, ávidos por ganhar o presente no fim do ano, como toda criança; a filha mais velha, que quer passar no vestibular da faculdade concorrida; a irmã mais nova, que sonha em ser modelo.



Todos esses personagens estão enredados em um contexto de normalidade, prontos para defender a sua paz e segurança, com unhas e dentes, nem que isso custe a vida do outro.

Policiais jogam um assaltante, algemado, de cima de uma laje.

O tempo dita a ordem das coisas e não se pode fazer diferente. 
Todos correm, para viver a vida, mesmo que essa não tenha sentindo algum.

Nas conversas do almoço de domingo a mesma ladainha, contra os Direitos Humanos; em nome do cidadão de bem: pela defesa dos bons costumes e da família; pelo respeito e pela honra; pela segurança; por mais dinheiro e compras.

Eita vida besta! Diria Drummond.

Estamos prontos para a barbárie, mas antes, bora fazer um churrasco!?




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...